Kerrang entrevista Chester é fala sobre o novo Álbum

O Vocalista Chester  foi entrevistado pela revista Kerrang , é falou sobre o novo Álbum, veja os detalhes .

”Revelado! Os Segredos do Novo Álbum do Linkin Park
Chester Bennington coloca a K! na turnê de seu quinto álbum – e explica como eles aprenderam a amar guitarras novamente”.





Com o álbum quase terminado, como estão as coisas estão se moldando nesta reta final?
Nós encontramos nosso passo agora. É realmente uma fase prolífica para a banda, nós encontramos um lugar onde todo mundo está muito feliz e se sente como sua voz estivesse sendo ouvida.

Como está a positividade neste som do álbum?
Uma coisa que Mike e eu discutimos no início do processo de escrita foi que queria se concentrar em tentar manter as coisas mais rápidas. Há algumas coisas sombrias também, mas nossos fãs podem dizer que, mesmo nas coisas mais sombrias há sempre um pouco de esperança, e é isso que nós escrevemos nas músicas aproximadamente. Não estamos encontrando o toque positivo, mesmo nos momentos mais difíceis, nós nunca queremos que as pessoas sintam qualquer desesperança.

A decisão de escrever “mais rápido” foram baseadas em tocar as músicas ao vivo?
Sim, que foi a nossa motivação real. Sabemos que quando os nossos fãs vêm nos ver tocar, eles vêm para a energia do show. Mas tenho escrito um monte de coisas mais calmas e elas são boas canções, e se continuar a escrever este tipo de músicas, vamos acabar com uma coisa demorada (risos). Sabemos que, com todos os álbuns que lançamos, vamos precisar colocar para fora singles e escolher nossas músicas favoritas, por isso pensei que seria um bom exercício.

Isso significa que é uma partida longe do som de ATS e voltar para o velho LP?
Ao longo dos últimos dois discos, estavamos nos esforçando para sair da caixa do new metal que nós nos encontramos dentro. É fácil de caracterizar-nos como isso, com base no HT e Meteora, quando nós éramos uma banda de new metal. Mas nós sabíamos que havia mais para nós. E, com exceção do tom da guitarra de sete cordas de metal, que tivemos nos dois primeiros álbuns – que eu acho que é a razão pela qual muita gente gosta da banda – Eu sinto que nós encontramos um lugar onde finalmente estamos confortáveis ​​em nossas peles.

É simplesmente um caso de equilíbrio entre todos os diferentes lados da banda?
Absolutamente. Há tantos lados diferentes do LP, e estamos tocando em cada um deles um pouco. Com este álbum, incorporamos um monte de guitarra pesadas com grandes coros e as coisas mais eletronicamente pesadas para dar-lhe um muro muito grande de sentimentos no som sem ficar muito metal. Isso vai ser muito mais familiar para as pessoas do que ATS foi, onde nós éramos como, “Foda-se, nós somos apenas sermos malucos.” (risos).

O que foi deifnido de foco para esse álbum então?
Nós só sabemos as coisas que não gostamos, por isso sabemos se estamos ou não estamos sentindo essa vibração ou que vibe que tivemos no passado. Mas, acima de tudo, deixe a música nos levar para onde ela quer ir. Mike e eu, naturalmente gravitamos em torno das idéias que inspiram muitas melodias imediatamente. De lá, as músicas nos deixam saber se são boas ou não. Nosso processo é muito trabalhoso, por isso músicas sempre passarão por uma enorme gama de trabalho. É muito raro para as nossas músicas começarem de uma forma e permanecer assim. As que se tornam muito, muito difícil trabalhar ficam de lado, e as que ficam ao redor são aqueles que nos inspiram, se prestam a muitas mudanças diferentes, e os que são continuamente fácil escrever letras ou melodias.

E o que podemos esperar das letras?
Nós temos escrito muito sobre relacionamentos. Nós não somos uma banda política, nós somos mais uma banda socialmente ocupada. Nós tentamos olhar para as coisas que encontramos no mundo que gostaríamos de ver menos. Nós fixamos ao que somos realmente bons em escrever sobre, e nós sempre temos essas grandes coisas para nos inspirar. Descobrimos uma nova forma de escrita que mistura tudo junto – não estamos concentrando muita energia em casa ou no estúdio ou na estrada. E eu acho que isso nos ajudou a ser mais criativo, por isso vamos ser capazes de fazer gravações mais rápidas, ficar de fora na estrada e continuar fazendo shows – apesar de não exagerar a ponto de as pessoas adoecerem de nós (risos).


Fonte : http://www.roadtorevolutionbr.com

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s