Is interviewed by Mike Shinoda Bangkok Post

Mike shinoda foi entrevistado pelo jornal Bangkok post que é um jornal Tailandes , falando um pouco da experiência do albúm A thousand suns  é como seria o proximo show, veja a reportagem abaixo:

 Um monte de fãs Linkin Park notou uma mudança no estilo de música do Linkin Park recentemente. Você pode descrever a direção que a banda está tomando e o que causou ou inspirou a banda a desviar o seu curso normal?
Quando começamos a escrever músicas para nosso primeiro álbum, o material que tínhamos era único. No entanto, com o tempo, naturalmente começou a perder a sua essência. Todo mundo ouviu, alguns tentam imitá-lo, o que é bom, mas o ponto é que perdeu a sua originalidade. Em um certo momento, percebemos que se continuássemos a fazer música na mesma maneira neste projeto, seria tudo o que nós já estamos fazendo. Nós certamente não queriamos sentir como nós estamos sendo forçados a ficar numa caixa, repetidamente fazendo as mesmas coisas em todos as nossas gravações. Com A Thousand Suns, o objetivo não é o número de cópias que poderia vender, sim o quanto podemos desafiar a nós mesmos, e desafiar nossos fãs. Percebemos que temos dado passos consideráveis longe do material original, mas este álbum é sobre nós tentar algo novo, e fazer música inspirada por aquilo que está ouvindo no momento.
Quando Linkin Park surgiu pela primeira vez, houve muita conversa sobre como vocês juntariam diferentes gêneros musicais, como hip-hop e rock, juntos. Que direção você vê a música rock, em geral, tomar nos próximos anos?
Para a nossa banda, e nossa música, no início, juntamos todas as coisas que estavamos ouvindo na época – tipos específicos de eletronica, hip-hop e rock. Mas para o nosso novo álbum A Thousand Suns nós adicionamos um monte de ingredientes para criar músicas mais complexas. A razão por trás disso é parcialmente porque os membros da nossa banda não só ouvem rock, cada um de nós tem diferentes medidas de quanto de rock que ouvimos e ouvimos diferentes tipos de música também. Como para a música rock em geral, há sempre vai ser um período em que todas as revistas gritam “o rock está morto” – que aconteceu com todos os gêneros. Não significa necessariamente que seja verdade, é só que, naqueles tempos, todo mundo estava esperando por algo realmente excitante para acontecer. Para o Linkin Park, descobrimos que não podemos estar presos em um gênero; deixar um único termo definir a nossa música não é realmente possível. Termos como rap-rock, new metal, gênero do rock são, de certa forma, termos míopes, eles não podem descrever plenamente tudo o que fazemos.
Muitos críticos têm descrito A Thousand Suns como um álbum político. Qual a sua opinião sobre o estado do mundo, agora que parece haver tantos problemas em todos os lugares?
Nós usamos uma técnica chamada “escrita automática”, que é basicamente nós chegando direto nos microfones e gravando sem ter escrito nada. Às vezes as palavras não fazem sentido, mas, eventualmente, chegamos as letras que fazem sentido e vem direto do nosso subconsciente. Assim, o aspecto político e mais pesado de nossas letras, na verdade surgiu dessa maneira, você pode dizer, quase que acidentalmente. Fizemos a percepção de que nossas letras se originou de um lugar de medo. Em nosso subconsciente há um medo comum, uma preocupação para as grandes responsabilidades que acompanham o poder. Vivemos em uma era de enorme poder, potência suficiente para explodir o mundo a qualquer segundo. A imensidão desse poder e responsabilidades é algo que é um medo universal.
Existem problemas específicos que te inspirou para escrever suas músicas mais recentes? Por exemplo, uma das canções trata de uma guerra nuclear.
Nós necessariamente não fazemos nossas músicas e as nossas letras para dizer algo. Nós certamente não escrevemos dessa forma. Pelo contrário, queremos colocar as idéias para fora e deixá-las para interpretações. Esperemos que as nossas letras inspirar as pessoas a falar, talvez comece algumas conversas ou cultivar alguns pensamentos sobre preocupações específicas. Por exemplo, nossa recente concerto na Red Square, Moscou, foi realmente memorável para nós. Quando eu era pequeno que crescia nos anos 80, a Rússia era considerada o inimigo. Um inimigo com o poder de aniquilar milhões de pessoas. Na Red Square, cerca de 100 metros do Kremlin, nós estavamos tocando uma música chamada Wisdom, Justice and Love que consiste de uma citação de Martin Luther King referentes ao socialismo e tratar as pessoas direito, tratar as pessoas de forma justa. Não era de se relacionar com a Rússia, mas houve um momento no show onde todos os fãs seguravam cartazes com a letra da música impressa sobre eles. Foi espontâneo, era algo que queria fazer – e que foi um momento muito emocionante e comovente para todos nós.
Fazer suas experiências com uma variedade tão grande de público de todo o mundo lhe dá qual impressão sobre seus fãs? Qual é a sensação de estar constantemente exposto a todas essas culturas muito diferentes?
Nós ainda estamos trabalhando em como fazer a ponte entre a banda e nossos fãs, porque nós percebemos que temos uma base de fãs muito grande internacionalmente e como se espalhou. O nosso site está trabalhando na tradução de algumas das músicas em várias línguas diferentes. Às vezes, nossos fãs nem sequer realmente compreender todas as nossas letras ainda vêm ao nosso show e cantar junto. Estou muito grato por uma comunidade tão diversa e excepcional que nós pertencemos. Desde que nós éramos uma banda pequena praticando na minha garagem, eu sempre imaginei olhando para a platéia e ver todos esses muito legais, pessoas únicas – e nós temos que hoje, com os nossos fãs vindos de todo o mundo de diferentes sexos, idade, etnia, religião e cultura.
O que os fãs podem esperar do seu próximo show tailandês? Como é que vai ser, diferente de seus dois anteriores?
Nós vamos tocar algumas do nosso novo álbum, de modo que vai ser novo. Mas nós também vamos estar tocando coisas dos nosso outros álbuns de estúdio para outros fãs poderem desfrutar e são, definitivamente, todos bem-vindos.
Você tem alguma coisa que você gostaria de dizer para os fãs na Tailândia aguardando a sua apresentação?
Em nosso passado fizemos dois concertos na Tailândia, nós definitivamente recebemos uma recepção muito grande, muito bem-vindos. Nós realmente apreciamos o apoio que os fãs tailandeses nos deram, ficar conosco por todas as voltas e reviravoltas que nossa banda tem feito. Nós realmente esperamos desafiar os fãs e dar-lhes uma grande experiência no nosso próximo show, espero, vai ser um grande concerto. Muito obrigado por todo seu apoio no passado, tem sido impressionante.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s